Our Blog

CENÁRIO EXIGE FATORES QUE FAZEM DA FORCEPOINT UM PLAYER PRINCIPAL EM PROTEÇÃO CONTRA APT

Share

terça-feira, jul 23, 2019

 

26 de março de 2019

Na grande maioria das previsões sobre a segurança da informação em 2019 há quase que um consenso quanto ao fato de que será um ano difícil com o crescimento tanto do volume quanto do potencial de ataques aos quais as empresas estarão expostas ao longo dos próximos meses.

Os primeiros casos de vazamentos relatados em janeiro confirmam essa tendência e ampliam o alerta quanto à necessidade de redobrar também os cuidados.

Neste cenário, fica evidente a necessidade de ferramentas que sejam ao mesmo tempo robustas e flexíveis ao ponto de se adaptarem facilmente à dinâmica sempre mutável das tentativas de invasões.

Foi justamente estas características que levaram a Forcepoint a ser reconhecida como ‘Player Principal’ em Proteção contra Ameaças Persistentes Avançadas (APT) pelo Quadrante de Mercado do Radicati em 2018. O The Radicati Group, responsável pelo Quadrante de Mercado, é uma empresa especializada em novas tecnologias que fornece informações detalhadas sobre tamanho de mercado, base instalada e previsões mundiais além de desdobramentos detalhados por país, em todas as áreas de E-mail, Segurança, Mensagens Instantâneas, Comunicações Unificadas, Gerenciamento de Identidades e Tecnologias Web.

De acordo com seus critérios, a classificação ‘Player Principal’ significa que a empresa é líder de mercado e fornece produtos que oferecem abrangência e profundidade de funcionalidades, com uma visão sólida para o futuro. Os Players Principais moldam o mercado com sua tecnologia e visão estratégica.

Para atribuir este estágio à Forcepoint, a organização considerou que a companhia oferece um conjunto abrangente de soluções de segurança integradas, que incluem Web, E-mail, DLP, ameaças internas, aplicativos de nuvem e firewalls, com inteligência de ameaças compartilhada e aplicada em todos os canais.

Além disso, segundo o estudo, os pacotes flexíveis da Forcepoint permitem que os clientes comprem o produto e os recursos de que precisam e possam acrescentar capacidades mais avançadas ao longo do tempo para acompanhar a evolução das ameaças e de suas necessidades.

A avaliação cita o Forcepoint User and Entity Behavior Analytics (UEBA) informando que ele habilita as equipes de segurança a monitorar proativamente comportamentos de alto risco dentro da empresa. “A plataforma de análises de segurança fornece informações contextuais, fundindo dados estruturados e não estruturados para identificar e impedir usuários maliciosos, comprometidos e negligentes”, diz o documento.

Outro produto destacado foi o Forcepoint CASB, mencionado por sua capacidade de fornecer visibilidade profunda sobre o uso de aplicativos de nuvem, como Office 365, Google G Suite, Salesforce e outros.

O Quadrante de Mercado do Radicati fez questão de ressaltar também que a Forcepoint oferece seu próprio DLP com reconhecimento de conteúdo, que fornece proteção contra furto de dados de classe corporativa entre endpoints, gateways de Web e E-mail, e também armazenamento em rede e na nuvem.

“Técnicas de detecção avançadas, como reconhecimento óptico de caracteres (OCR), Drip-DLP e payloads criptografados, garantem a eficácia”, conclui o texto sobre os pontos fortes da Forcepoint.

Para conferir na prática a força de cada um desses pontos, entre em contato: