Maio 12, 2021

Lições (in)esperadas em Cibersegurança – Estratégias de Negócios e Segurança para a Empresa Não Consolidada pós-pandemia

Nicolas Fischbach

Como profissionais de segurança há bastante tempo, muitos de nós provavelmente pelo menos uma vez pensamos ou dissemos que "sabíamos que algo assim poderia ocorrer". Contudo, nenhum de nós poderia imaginar quais seriam as realidades, incluindo duração e impactos da pandemia, nem qual seria o impacto de curto prazo e duradouro sobre os negócios e a segurança. 

The C-Suite Report: Business and Security Strategies for the Unbound Enterprise

Com mais de duas décadas de atuação em segurança de TI, eu já vi muito. Afinal, já fui gravado prevendo todos os tipos de coisas que se tornariam realidade (ou quase!).

Como para outras pessoas na comunidade de segurança da informação, contudo, foi uma surpresa a força da mudança quase imediata em como trabalhamos e praticamos a segurança atualmente. Fez com que desafiássemos o status quo.

Não me entendam mal, eu acreditei muito nas abordagens de nuvem e segurança convergente durante anos. Precisamos considerar que, quando praticamente todas as pessoas estão trabalhando fora de fronteiras corporativas, a única forma de mantê-las felizes, produtivas e seguras requer uma mudança radical de pensamento, mudando de segurança baseada apenas em infraestrutura para uma arquitetura que combina entrega híbrida na nuvem para proteção de dados e serviços de acesso seguro.

Como alguém que há muito tempo trabalha na vanguarda da segurança e conhece as entranhas do setor, eu não tinha motivo para acreditar em março de 2020 que a forma como eu vivia e trabalhava mudaria irrevogavelmente. E está claro que não sou o único. Sinto falta de viajar, não apenas por causa do jetlag ou do status no programa de milhagem, mas também das pessoas, culturas e gastronomias.

 Bisinuess and Securty Strategies for the Unbound Enterprise

Muitos de vocês, meus colegas que são executivos e líderes de segurança, concordam sobre diversas questões, todas impulsionadas pela pandemia e reveladas por nossos parceiros do Wall Street Journal Intelligence. Três se destacam para mim:

  • 90% dos CEOs e 84% dos CISOs disseram que já adotaram ou adotarão o SASE atualmente
  • 74% dos executivos realocaram recursos para cibersegurança
  • Mais de 50% consideram necessário ter uma segurança mais integrada

E, o mais surpreendente para mim, um cara que atuava em telecomunicações e migrou para a nuvem, foi o acordo quase unânime sobre o poder da convergência e da entrega na nuvem para a segurança. Muitos de vocês disseram que é praticamente o requisito mínimo. Esses insights e outros agora estão disponíveis no novo “The C-Suite Report: Business and Security Strategies for The Unbound Enterprise.”

E venham participar comigo e com Elizabeth Nann, diretora executiva de Global Consumer Insights do Wall Street Journal Intelligence para uma discussão via webinar sobre as opiniões de CEOs e CISOs sobre como navegar em negócios e segurança na era da Empresa Não Consolidada.

The WSJ Intelligence C-Suite Report Webcast

Vamos detalhar 5 aprendizados essenciais:

  1. Durante a pandemia, os líderes viram um surto de ciberataques de todos os tipos e a migração associada na realocação orçamentar para habilitar os negócios.
  2. Proteção da força de trabalho distribuída e uso aumentado de serviços de nuvem são as prioridades principais para segurança.
  3. A maioria dos líderes acreditam que a cibersegurança contribuiu diretamente para a inovação e a vantagem competitiva da organização durante a pandemia.
  4. À medida que o cenário continua a mudar, CEOs e CISOs estão investindo em SASE e Zero Trust.
  5. Os programas eficazes para administração de riscos digitais devem convergir diversos recursos, como segurança de nuvem, controles de endpoint e monitoramento da atividade de usuários para detectar e prevenir proativamente incidentes digitais antes que ocorram.

Para saber mais, leia o comunicado à imprensa, faça download do relatório e veja o webcast. Eu gostaria de saber se você também se surpreendeu (ou se sabia disso desde sempre, é claro).

Sobre a Forcepoint

A Forcepoint é líder em cibersegurança para proteção de usuários e dados, com a missão de proteger as organizações ao impulsionar o crescimento e a transformação digital. Nossas soluções adaptam-se em tempo real à forma como as pessoas interagem com dados, fornecendo acesso seguro e habilitando os funcionários a criar valor.

Nicolas Fischbach

As Global CTO and Vice President of SASE Engineering, Nico Fischbach drives corporate level vision, defines the research agenda, and pilots technology and architecture roadmaps that underpin Forcepoint's human-centric cybersecurity and SASE solutions. He is responsible for companywide innovation...

Read more articles by Nicolas Fischbach